Sobre Nós

O PROJETO: CONTEXTO. PLATAFORMA EDUCAÇÃO MARCO ZERO. Com o intuito de contribuir para o melhoramento e a qualificação do sistema educacional como política pública através  do fortalecimento da sociedade civil organizada, sete organizações: We World, ACACE, Cáritas Diocesana de Crateús, EFA Dom Fragoso, ESPLAR, Instituto Maria da Penha e Pastoral do Menor NE1 reuniram-se numa valiosa Plataforma Institucional com profundas expertises no campo social e educacional. O projeto desenvolverá até 2021 diversas ações de fortalecimento da educação para convivência com o semiárido nas escolas e nas comunidades,  consolidação da ação da sociedade civil, comunicação popular, práticas restaurativas e defesa de direitos das mulheres.

A EDUCAÇÃO EMANCIPADORA. Uma educação com a nossa cara, mas sem se fechar no local onde está. O Semiárido como conhecemos nas carteiras escolares, precisa está dentro da realidade de quem convive com esse espaço. Por sinal, com muitos potenciais de crescimento e de oportunidades para quem faz parte e quer permanecer em sua terra. A construção de mandalas, cisternas, quintais produtivos entre outras tecnologias, fazem parte da história de moradores do sertão cearense e podem ser fonte de aprendizado para os estudantes saírem da teoria e se encantarem com a prática! Uma escola que torna visível os potenciais artísticos e criativos dos educadores/as e educandos/as em uma relação prazerosa de ensino e aprendizagem.

# É possível e já é real! No Ceará, quatro municípios (Ipaporanga, Nova Russas, Tamboril e Quiterianópolis) trabalham com a Educação Contextualizada, como política pública, tornando uma realidade em todas as escolas de ensino público da região.

Como atuamos

O projeto compõe-se de quatro grandes atividades interligadas, que juntas trabalham a proposta de alcançar uma política pública com foco numa educação melhor e mais justa para todos.

Educação Emancipatória nas escolas

Reforçando a ideia de tornar a escola um espaço de transformação social, o projeto, propõe um processo de ensino aprendizagem que tenha sentido para educadores(as) e educandos(as) de forma a buscar o bem viver nos territórios do Semiárido, com a missão de implementar uma educação emancipatória, que traz para a prática didática pedagógica ferramentas que promovam uma identidade de quem está participando do processo de aprendizagem. Nesse contexto, os educadores de todas as escolas alvo receberão formações nas temáticas da educação emancipadora, além de um acompanhamento pedagógico, o apoio a qualificação dos PPPs, intercâmbios entre experiências de sucesso e eventos informativos e de comunicação com a comunidade.

Fortalecimento dos Grupos Populares de Mulheres

Grupos populares de mulheres serão mobilizados, receberão formações sobre a temática de gênero e o combate à violência contra a mulher. Atuarão em sintonia com as comunidades escolares e Grupos de Trabalhos Municipais.

Fortalecimento da informação de qualidade nas comunidades rurais e mais periféricas

A comunicação popular assume um espaço importante nesse Contexto. Fortalecer as experiências das rádios comunitárias, tornando a comunicação mais democrática, onde o povo possa debater suas necessidades, divulgar suas experiências e cultura é uma ação estratégica. Criar e reestruturar emissoras de rádios comunitárias  também faz parte das ações do projeto.

Fortalecimento das Organizações da Sociedade Civil e criação de Grupos de Trabalho

As realidades da sociedade civil do contexto local de cada município são fundamentais para  o sucesso do projeto. Grupos de Trabalhos compostos para sociedade civil, comunidade escolar, grupos  de mulheres e Conselhos municipais, serão criados em vista de proporcionar um ambiente favorável à aprovação das leis municipais que qualifiquem o sistema educacional. Por esse fim, o projeto pretende proporcionar capacitação institucional, seja para as organizações que compõem a Plataforma seja para as OSC nos Munícipios, que possam potencializar tanto as ações sociais quanto as estratégicas de sustentabilidade institucional.